segunda-feira, 3 de julho de 2017

Portugal a Arder

Os tristes acontecimentos de Pedrógão Grande, assinalados por tantas perdas de vidas, merecem uma reflexão. No rescaldo da tragédia, muitos procuram causas, outros exigem explicações, outros clamam por culpados. Como é habitual nestas situações, pedem-se inquéritos ou nomeiam-se comissões que não conduzirão a nenhuma conclusão e só servirão para que, aos poucos, o caso vá caindo nos esquecimento. O que aconteceu em Pedrógão foi aquilo a que Talim Nasseb chamou um cisne negro, um evento raro, aparentemente inverosímil e não expectável, mas com grande impacto social. Estes acontecimentos têm uma importância decisiva no desenrolar da história e, muitas vezes, constituem oportunidades para mudar o seu rumo.

A chamada zona do Pinhal Interior situada no coração de Portugal, e que integra concelhos pertencentes aos distritos de Coimbra, Leiria, Santarém  e Castelo Branco, é uma vasta e pobre região, atualmente desertificada de pessoas. Noutros tempos, quando o território era ocupado, praticava-se ali uma economia agrícola de subsistência: havia zonas de cultivo e zonas de pastagem, e, no coberto vegetal,  existiam espécies alternativas como a oliveira, o carvalho, o castanheiro ou a azinheira. A limpeza da floresta não era feita por obrigação para a proteger do fogo, mas pela necessidade de recolher lenha para as lareiras e para os fornos. Durante centenas de anos vigorou este regime e os incêndios de verão não existiam, ou, quando existiam, não eram necessariamente calamidades.

Com o abandono da região, muitos campos de pastagens ou de vocação agrícola deram lugar a uma quase contínua mancha florestal de pinheiros e eucaliptos. Esta forma de ocupação revelou-se ser a mais compatível com a progressiva falta de braços, na medida em que tinha - ou parecia ter! -subjacente algum valor económico para os proprietários dos terrenos. Mas surgiu uma contradição que, ano após ano,  passou a ser evidenciada nos incêndios de verão. A ocupação florestal daquela zona não se coaduna com o regime de minifúndio. Com efeito, a floresta precisa de ser pensada como um todo e o seu planeamento não pode ser feito com a terra partilhada, em que as escolhas são feitas pelos proprietários das pequenas parcelas de terra prevalecendo o interesse particular - mais económico - sobre o interesse geral - a sustentabilidade a beleza da paisagem e, sobretudo, a segurança relativamente aos fogos.

Em síntese, alterou-se radicalmente a vocação agrícola do território mas nada se fez relativamente ao regime de propriedade. Enquanto isso não se fizer, o problema dos incêndios na floresta não será resolvido. Continuar a investir apenas no combate ao fogo - como se tem feito até agora - terá, no futuro, custos acrescidos e cada vez mais incomportáveis. A oportunidade de fazer alguma coisa pode ter chegado com a tragédia de Pedrógão. Aproveitá-la será uma forma de homenagear os que nela  ingloriamente perderam a vida e os haveres. Sobre a terra queimada deve iniciar-se a revolução que se impõe. Revolução que deverá debruçar-se sobre o regime da propriedade rural. Se não se fizer agora perdemos tempo e temos de esperar pelo próximo incêndio que poderá ser ainda mais trágico. Encontrar a forma de fazer esta revolução deve ser a primeira preocupação dos governantes.

Tudo terá de começar com a definição da zona de intervenção que pode tomar a forma de parque florestal ou de uma zona protegida. Uma vez definida a zona de intervenção, chegará o momento do fazer o projeto para a sua reocupação. Será o tempo dos técnicos - agrónomos, silvicultores, arquitectos paisagistas, ambientalistas, geólogos, climatólogos etc... -  e dos visionários  apresentarem as suas propostas e será o momento da sociedade, de forma democrática e informada,  escolher as melhores.

A nova floresta terá de ser ecológica, sustentável e diversificada, deve ter valor económico, deve ser resiliente aos incêndios e deve ter beleza paisagística. Deve, sobretudo, ter a capacidade de atrair novos ocupantes para repovoar a região. Isso será conseguido pelo desenvolvimento das atividades económicas ligadas à floresta, a um novo tipo de agricultura e pastorícia  e ao turismo de natureza.
Fazer isto, será transformar o inferno de Pedrógão num Paraíso Nacional.

A receita aqui advogada para a Pinhal Interior - com as adaptações às particularidades de cada caso - poderá aplicar-se a outros territórios do Interior que sofrem o problema da desertificação. A sua tão necessária reocupação exige um rápido e corajoso reordenamento do regime da propriedade rural. Sabendo que isso terá elevados custos políticos, tal só será possível com um alargado pacto entre as forças mais representativas. Mas valerá a pena, pois é o futuro do país que está em jogo.


terça-feira, 6 de junho de 2017

Um Programa para Almeida

Para inverter o longo processo de despovoamento em curso, os novos autarcas dos territórios do Interior Beirão - e em particular os de Almeida – necessitarão urgentemente de adotar um programa de emergência. Não poderão ficar de braços cruzados à espera que o problema da desertificação dos territórios se resolva espontaneamente, e - como está demonstrado pelo falhanço duns e de outros - não podem contar, apenas, nem com o dinheiro da Europa nem com as boas intenções do poder central para o resolver. A situação é grave, e agrava-se de ano para ano. Perdeu-se a Caixa Geral de Depósitos, podem perder-se repartições públicas, pode perder-se, a breve prazo, uma das escolas. Além disso, o comércio tradicional definha, os campos estão abandonados e os poucos jovens que ainda restam, aspiram emigrar.

Na conceção de um tal programa de emergência, haverá, antes de mais, que definir prioridades. E não precisamos de refletir muito para concluir que a primeira prioridade terão de ser as pessoas. Não apenas as do presente, mas também as do passado e as do futuro. As do passado porque são elas as nossas raízes: deixaram-nos a cultura, as crenças, os valores, o idioma e os saberes; as do futuro porque é para elas que trabalhamos, e porque são elas a esperança da continuidade da ocupação ativa dos territórios. Em síntese, um programa para Almeida tem de honrar os antepassados, cuidar e servir os seus residentes e criar condições para os mais jovens ali se fixarem e trabalharem.

A segunda prioridade deverá ser a preservação e valorização do património: não só o património edificado - as casas, as igrejas, os monumentos, as estradas, as infraestruturas, mas também do património natural, paisagístico e cultural que é importante preservar e respeitar. A terceira prioridade é voltar a cuidar da terra que durante séculos ocupou as populações e foi a fonte do seu sustento.

Depois de definidas as prioridades haverá que construir um programa de ação do qual constem os princípios orientadores, os objetivos e os meios necessários para os alcançar. Nos princípios devem constar os valores a respeitar - entre outros, a liberdade, a democracia, a sustentabilidade. Os objetivos, por sua vez, têm de ser definidos em função daquilo que realmente se pretende para o concelho, tendo em conta a especificidade do território e das suas componentes. Almeida, Vilar Formoso e as Aldeias do concelho constituem realidades singulares, com aspirações e vocações que têm de ser encaradas de forma distinta, sempre em cooperação e nunca em concorrência. Almeida pode encontrar na sua vocação cultural, termalista e turística o seu caminho de desenvolvimento, enquanto Vilar Formoso tem de apostar tudo na fronteira e no comércio. As Aldeias poderão desenvolver valências diferenciadas, na agricultura, na economia social, no artesanato...

Um tal programa deverá ser desenhado e executado por gente movida nos seus propósitos por convicções, e não por conveniências, com um profundo conhecimento da situação do concelho. Preferencialmente, como já referimos atrás, deverá ser pensado sem os condicionalismos dos interesses partidários e dos programas de apoio europeus, os quais já demonstraram não terem sido capazes de contrariar a desertificação da região. Não pode ir a reboque de planos organizados por estruturas supraconcelhias, por serem lentos e, muitas vezes, desfocados de cada realidade particular. Um concelho de matriz rural, territorialmente marginalizado - caso de Almeida -, não tem nada a ver com outros concelhos urbanos do interior como é o caso de Guarda, ou mesmo Seia ou Gouveia. Nem pode ficar à espera das diretivas do poder central - mau grado recentes iniciativas, como a criação de uma unidade de missão para o interior - que têm mostrado grande desorientação e grande insensibilidade para encontrar soluções.

Vivemos um momento crítico. Temos pela frente uma oportunidade de mudar. Há que aproveitá-la, mobilizar forças - todas as forças do concelho -, ultrapassar divergências. Numa situação de crise tão grave não faz sentido que os interesses e objetivos partidários se sobreponham aos interesses do concelho. Perante situação tão grave, com o arrastar da crise e a inoperância das medidas tomadas, muita gente começa a duvidar da capacidade de se dar a volta ao problema. Recomendaríamos a vereação que sair das novas eleições a aceitar este repto. Com determinação e humildade, começando por ouvir as pessoas. Porque o principal objetivo deste programa são as pessoas, nele tem de ser reservado um papel muito importante para a Educação.


sexta-feira, 2 de junho de 2017

O Rumo da Europa

Na minha opinião, as declarações da Sra Merkel na Baviera - proferidas no rescaldo da cimeira do G7, em Taormina- podem ser o sinal de uma mudança de rumo para a Europa. No essencial, a Sra. Merkel sentenciou que "os europeus têm de cuidar de si próprios e resolver os seus problemas, e que a Europa tem de continuar a manter boas relações com  os Estados Unidos e com ao Reino Unido, mas também com outros países, incluindo  - na medida do possível - a Rússia". Com o previsível falhanço da parceria económica transatlântica que seria o TTIP, com os Estados Unidos a quererem passar para os europeus uma fatura maior das despesas da Nato, com o lavar de mãos americano sobre a crise dos refugiados - como quem diz o problema é vosso resolvam-no - , com o brexit que deixa fora da União o seu principal elo com a América, a Europa precisa de ter uma agenda política própria. E tem de ser a Alemanha  a defini-la, e a França a apoiá-la.

A Europa enfrenta três graves problemas: o problema da defesa, o problema energético e o problema dos refugiados.  A Nato deixou de se justificar após a queda do muro de Berlim. Mantê-la corresponde a considerar a Rússia como o inimigo principal do Ocidente. Algo que não tem razão de ser, considerando que a Rússia está, hoje, remetida a uma posição defensiva e não tem qualquer ambição de expansão de território - que não precisa - ou de ideologias - que não tem.  Casos como o da Crimeia têm de ser analisados numa perspectiva histórica. É certo que persistem ainda os traumas dos países do Leste da Europa que temem o regresso de uma hegemonia russa. Algo que hoje já não faz sentido e que o tempo acabará por sanar. No atual estado de coisas, a estrutura militar da Nato só pode justificar-se para manter o estado de Israel e permitir assegurar para o Ocidente, a prazo, o domínio  das reservas de combustíveis fósseis do Médio Oriente, nomeadamente da Arábia Saudita, do Iraque e dos Emiratos Árabes Unidos. Mas essa, tem sido, para a América, outra guerra feita à sua própria custa, com um esforço adicional que se vem somar aos custos da Aliança.

Em termos energéticos, a Europa é extremamente dependente do exterior. Praticamente já não produz carvão, as únicas jazidas de petróleo - cuja produção está em declínio - são as do mar do Norte divididas entre a Noruega, que não faz parte da UE, e o Reino Unido. Por outro lado, a escassa produção europeia de gás natural já está em declínio, e a Europa tem de recorrer cada vez mais ao abastecimento da Rússia e do Norte de África. A expectativa de recorrer às grandes reservas de gás natural do Golfo Pérsico - sobretudo às do Qatar - esta a desvanecer-se perante o arrastar do conflito da Síria, país que terá sempre de ser atravessado pelos gasodutos necessários ao seu transporte. A entrada da Rússia no conflito - justificada em parte para defender a sua posição no negócio do gás e proteger as reservas do Irão - apenas vai servir para tornar mais longínqua essa possibilidade.

O problema dos refugiados  é, talvez, o problema mais grave que a Europa enfrenta, e para o qual não se vê solução.  Falo dos milhares de homens, mulheres e crianças, famélicos, sem terra, sem pão, e sem outros haveres para lá da escassa roupa que lhes cobre o corpo que veem na Europa o eldorado. Vêm da Líbia, da Tunísia, da Etiópia, da Eritreia, da Somália e da Síria, atravessando desertos, cruzando fronteiras. Entregaram o pouco que tinham a passadores e engajadores que lhes prometeram o paraíso do outro lado do mar! Nada os detém, e nada os irá deter no futuro: não temem o mar, nem as autoridades, nem as grades de qualquer prisão. A  esperança de chegar à outra margem sobrepõe-se a tudo, e desvaloriza os riscos de sucumbirem na caminhada, de naufragarem no mar revolto ou de serem devolvidos à procedência. A Europa hesita na resposta a dar. As opiniões dividem-se, não existe uma politica comum coerente. A saída do Reino Unido da União tem a ver com isto. Os Estados Unidos não vão ajudar. Tal como disse a Sra Merkel, a Europa tem de passar a contar apenas com ela própria.

A chegada do Sr. Trump ao poder teve o mérito de ajudar a clarificar as dissonâncias entre os dois lados do Atlântico. Para muitos europeus, terá chegado o momento de estender a mão à Rússia. É certo que existem muitos anticorpos, mas são mais as coisas que nos unem do que as que nos separam: a história comum, a cultura, a matriz religiosa. A Rússia tem os recursos que faltam à Europa. E é um mercado com grande potencial para os seus produtos. Se este for o caminho escolhido, ele fica facilitado pelo brexit e pelo insólito discurso autista de Trump.

Mas um entendimento entre a Europa e a Rússia não será pacifico pois fará deslocar centro de gravidade do poder do Atlântico para a Eurásia. Será um novo grande cisma do Ocidente, ao qual a China não ficará indiferente. A Nato ficará obsoleta! Haverá equilíbrios que se rompem e  ninguém poderá prever o que poderá sair da caixa de Pandora. 

segunda-feira, 8 de maio de 2017

Nuno Crato e a Educação

A ida de Nuno Crato ao Grémio Literário, no passado dia 5 de maio, para falar no Ciclo “Que Portugal na Europa, que futuro para a União?” só pode ter acontecido por um erro de casting. O orador não disse uma palavra sobre o tema do ciclo que já trouxe àquela sala figuras como Freitas do Amaral, Paulo Rangel ou Francisco Seixas da Costa. Preferiu falar sobre educação, discorrendo longamente sobre o que ele considerou terem sido os bons resultados alcançados no período em que foi ministro. Cometeu a notável proeza de, no seu discurso, nunca ter pronunciado a palavra pedagogia.

O sistema de educação que Nuno Crato defendeu no Grémio é o sistema criado na Revolução Industrial que advoga que se deve encher a cabeça dos alunos com conteúdos programáticos predefinidos e que o sucesso do ensino se mede pela avaliação, a qual consiste em saber até que ponto o aluno conseguiu absorver e é capaz de reproduzir esses conteúdos. Foi o sistema que formatou o ensino ocidental, que deu origem à sala de aula, à lição de 50 minutos e aos exames. E que, hoje, é responsável por um rosário de deprimidos, de angustiados, de stressados e de falhados.

Hoje questiona-se esse modelo. A base de educandos alargou-se às classes mais baixas, diferentes culturas interpenetram-se, as famílias estão mais desestruturadas, as mães trabalham. Muita da preparação que era feita em casa ou nas oficinas dos mestres cabe hoje à Escola. A educação laica suprimiu muitos dos valores, crenças e rituais da educação religiosa de há um século atrás. Os meios de comunicação - sobretudo a internet -, permitem um acesso generalizado a todo o tipo de conteúdos. Nas escolas que seguem o método antigo, os alunos passam a maior parte do tempo a assistir a programas que nada lhes dizem e a ouvir respostas a perguntas que nunca fizeram. Grassa a indisciplina, aumenta a desmotivação dos professores e dos alunos. O que se aprende para a prova rapidamente se esquece, e a aprendizagem para a vida e para a descoberta fica por fazer.
Alguém disse que estamos a educar crianças para o século XXI com professores do século XX e métodos do século XIX. Está a generalizar-se a ideia de que o ensino está desadequado em relação a este novo tempo de grandes transformações. E começa instalar-se nas mentes de alguns pais, de educadores e até de cidadãos comuns a convicção de que urge criar a escola nova. Um pouco por toda a parte, surgem ideias, organizam-se grupos, animam-se debates, propõem-se e discutem-se diferentes modelos sobre como deve ser essa escola nova, quais os conteúdos a incluir nos programas, qual o papel do professor e qual a forma de avaliar os alunos. Até os insuspeitos jesuítas, guardiões de uma longa tradição no ensino, atentos às mudanças, estão a adotar, na Catalunha, novos métodos de educar.

A Internet está a mudar rapidamente - sobretudo nos mais jovens - os padrões de comportamento económico, social e cultural.  Trata-se de uma nova literacia suportada por novos instrumentos que, alterando a nossa forma de viver, nos vai obrigar a mudar a forma de educar. Na antiguidade, os caçadores e os guerreiros eram educados pela tribo e preparados para seguirem as pisadas dos seus antepassados. Era uma educação feita com regras, valores, crenças e rituais.  Mas, hoje, a tribo - que é a tribo global -  é difusa, está mal definida e carente de valores.

Na nossa sociedade - condicionada pela economia de mercado e formatada pela comunicação social -, o único valor  transversal é o dinheiro, e aquilo que lhe está associado: o consumismo, a competição e a ambição pelo poder. E isso reflete-se na educação, também ela orientada para a competição e  para o sucesso profissional. Ora, a incerteza que persiste na economia, a tomada de consciência dos malefícios do crescimento a todo o custo  - a predação dos recursos, o desperdício e a poluição -,  o desemprego e a ausência de valores  já estão a criar nos mais jovens angústia e desorientação. Para cumprir a sua missão de educar, continua a ser essencial que a escola se envolva e seja envolvida pela comunidade. Uma nova sociedade exige, pois, uma nova escola e uma nova escola tem de ser a semente de uma nova sociedade.

Algumas questões fundamentais sobre a educação estiveram ausentes do discurso do matemático Nuno Crato:
  • Qual deve ser a missão da Educação?
  • A quem compete defini-la?
  • A educação deve privilegiar a pessoa ou o cidadão?
  • Qual o papel do professor, e qual a importância da formação dos professores?
  • Qual a importância dos afetos, da empatia, dos relacionamentos sociais no processo educativo?
  • Qual deve ser o papel da família na educação?
  • Qual deve ser o papel da comunidade na educação?
  • Como desenvolver a inteligência emocional nos alunos? 
  • Como educar para a inclusão, para a aceitação das diferenças?
  • Como educar para a sustentabilidade económica e ambiental?
  • O foco da educação deve estar no aluno ou nos conteúdos?
  • Como educar para os valores? A Justiça? A Tolerância? A Generosidade? A Ética?
  • Como educar para a Democracia?
Este tema é central na sociedade atual. O Clube Português de Imprensa, o Centro Nacional de Cultura e o Grémio Literário poderão encontrar nestas perguntas inspiração para um próximo ciclo de conferências. Interesse pelo assunto e especialistas para falar dele não faltarão...

quarta-feira, 3 de maio de 2017

Os Lobos de Rio de Onor

Foram os lobos que me levaram a Rio de Onor. Eu explico: há uns anos atrás, a Sara e o Duarte, dois jovens biólogos fixaram-se em S. Pedro do Rio Seco, a minha aldeia, para estudar o Lobo Ibérico (canis lupus signatus)  no âmbito de um projeto do Grupo Lobo (Associação para a proteção do lobo) que envolvia outras regiões do país. Vinham para uma estadia de curta duração trazidos pelo facto de terem ali aparecido sinais da presença do animal depois de um longo período em que se julgou extinto na região. Na altura, eu estava envolvido na criação a Associação Rio Vivo e depois de ter percebido o interesse dos jovens biólogos em ficar mais algum tempo na aldeia, decidi, através da Fundação Vox Populi, apoiar por mais um ano o seu trabalho. A Sara e o Duarte já abandonaram o concelho de Almeida, e vivem e trabalham hoje em Rio de Onor, onde se dedicam ao estudo e divulgação da fauna local. Foi o convite deles para visitar a aldeia e conhecer o seu trabalho que me levou a Rio de Onor.

No passado mês de Abril, eu e a minha mulher, aproveitando uma deslocação a uma escola de Caminha, viajámos para Rio de Onor, indo por terras da Galiza pela autoestrada espanhola A52 que liga Vigo a Madrid passando por Ourense e Puebla de Sanábria. Nesta última localidade, desviámos por uma estrada de montanha para seguir para o nosso destino. Esperavam-nos a Sara e o Duarte que nos mostraram a pequena aldeia e nos levaram ao único bar/restaurante onde nos esperava um almoço vegetariano de salada e tortilha espanhola servido pela dona do restaurante chamada Maria Preto. Ficámos a saber que em Rio de Onor são todos Pretos ou Prietos conforme o lado da fronteira onde nasceram. Conhecemos a filha de Maria, a bela Sílvia, que estudou em Zamora mas vive agora em Portugal e que - dizem-nos- é uma séria candidata a miss Bragança.

No programa da visita constava um safari para conhecer o terreno envolvente, e tentar avistar alguns animais no seu habitat natural. Nos anos 70, veados e o corços foram introduzidos na vizinha Serra da Culebra em Espanha. Com os terrenos incultos, sem a pressão demográfica dos humanos, os animais espalharam-se pelas áreas adjacentes. As condições proporcionadas pelo terreno com a suas linhas de água, com a vegetação arbustiva e com as pastagens nos coutos ou lameiros permitiram que esses ungulados tivessem proliferado e sejam, hoje, abundantes. Depois dos veados apareceram os javalis. E, finalmente, os lobos. Que são animais furtivos que não tivemos a sorte de ver. Mas vimos as suas pegadas e os seus excrementos. E, com a ajuda dos binóculos e da  perspicácia do Duarte, vimos antílopes, corços e raposas.

Durante séculos, os habitantes de Rio de Onor, forçados pelo isolamento  - esta aldeia, situada no extremo nordeste de Portugal, dista  22 quilómetros de Bragança e 15 quilómetros da localidade espanhola de Puebla de Sanábria -, adoptaram um modo de vida comunitário. Existia um conselho de vizinhos que geria os recursos comuns. Os parcos terrenos agrícolas colados à povoação - a faceira - eram de todos  e não eram de ninguém. Partilhavam-se os fornos comunitários e os rebanhos. Foi o etnólogo Jorge Dias que em meados do século passado estudou  e deu a conhecer, num trabalho publicado em 1953 - "Rio de Onor, comunitarismo agro pastoril" -, a forma de vida comunitária desta curiosa localidade repartida entre dois países.

Há 50 ou 60 anos viveriam aqui mais de 400 pessoas e ainda perduravam os ancestrais costumes. Hoje, Rio de Onor é mais uma aldeia transmontana desertificada de gente, não terá mais de 60 habitantes repartidos entre o povo de cima (espanhol ) e o povo de baixo (português). O comunitarismo perdeu-se para sempre. Rio de Onor deixou de ser uma aldeia isolada, e já faz parte da aldeia global. O automóvel reduziu as distâncias. Os mais velhos estão a desaparecer... e os mais novos já se integram noutras comunidades como o facebook ou o whatsap. As típicas casas tradicionais de Rio de Onor - construídas em xisto e cobertas de lousa - estão a ser reconstruidas. Mas já não se destinam a albergar os vizinhos. Agora destinam-se a fins turísticos, servem para casas de férias ou para fins de semana.

Rio de Onor é uma pequena amostra do hinterland que de um lado e do outro acompanha a raia entre Portugal e a Espanha. É uma zona onde escasseia a gente e são sombrias as perspetivas para os mais jovens.  Olho para este novo ciclo de renovação, possível pela mobilidade do automóvel e pelas estradas e alimentado pelos subsídios, e não lhe vejo sustentabilidade. O maior património de Rio de Onor consistirá na preservação da história de um modo de vida comunitário que poderá servir de exemplo para tempos futuros.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

A Insustentável Leveza da Europa

O embaixador Francisco Seixas da Costa é uma personalidade cativante. No passado dia 28 de março tive o privilégio de partilhar a sua mesa no Grémio Literário onde foi falar sobre a Europa no ciclo de conferências que ali decorre sobre o tema “Que Portugal na Europa, que futuro para a União?”. Logo no início, o ilustre convidado confessou-se  um europeísta não natural  - não nasci europeu, justificou - mas convicto de que a adesão à Europa foi o melhor para Portugal. E enfatiza: foi um salto verdadeiramente notável, a decisão certa no momento certo que desenvolveu o pais, consolidou a democracia, mudou a paisagem, mudou a agricultura, mudou as mentalidades, alterou a mobilidade e contribuiu para vencer a nossa periferia. Os portugueses viram a adesão como uma coisa boa, para os emigrantes foi um motivo de orgulho, para os jovens uma oportunidade. Depois, com notas reveladoras de algum pessimismo, alongou-se na sua visão da situação na Europa.

A Europa acaba de fazer sessenta anos. Esta curta vida  - ou longa, depende da perspectiva - divide-se em dois períodos distintos. A Comunidade Europeia dos primeiros 30 anos foi  um projeto civilizacional, um sonho de paz e solidariedade construído sobre as ruínas deixadas pela Segunda Guerra Mundial. As tensões do período da Guerra Fria e a opção por um modelo de democracia liberal foram razões que alimentaram o sonho e contribuíram para criar coesão entre os seus membros. O segundo período da vida da Europa  inicia-se com o alargamento a Leste. Após a queda do Muro de Berlim e o desmoronamento da União Soviética, a Europa não teve outra alternativa que a de acolher os países que lhe bateram à porta. Países que não foram absorvidos nem integrados pacificamente no espaço europeu. Trouxeram com eles grande diversidade e grande complexidade e transportaram as feridas de uma relação traumática com Moscovo. Com este alargamento, a Europa mudou de natureza: redefiniu-se a sua agenda, alterou-se a geografia, reforçou-se a centralidade e o poder da Alemanha - que de fronteira, passou a ser o centro, ficando protegida, a leste, por uma buffer zone de segurança.

Agora, com o brexit, enfrentamos um novo desafio e, após a saída do Reino Unido, nada ficará como dantes.  Sai da União o maior orçamento de defesa, saem as forças armadas mais bem equipadas, sai um país com poder nuclear, sai um membro permanente do Conselho Segurança da ONU, sai o maior elo de ligação com os Estados Unidos e sai o maior dador da União. Com o brexit, o centro de gravidade da União desloca-se para leste, e isso será mau para Portugal. A negociação para o divórcio será muito complexa, e o pior que pode acontecer é ela acabar por ser benéfica para os ingleses, considerando que tal provocaria um efeito dominó, levando outros países a quererem sair.

Durante muitos anos viveu-se na Europa o politicamente correto, mas hoje isso já não é assim. A Europa é hoje uma estrutura muito mais complexa: existem diferentes países uns mais fortes do que outros, formando uma espécie de hierarquia. O fator demográfico pesa muito. Os partidos do centro perdem poder - foram eles que fizeram a Europa - as franjas crescem. A solidariedade e a generosidade estão em crise na UE e com isso destrói-se a  a essência da construção europeia e enfraquece-se a possibilidade de conquistar as populações. Vão-se criando espaços de eurocéticos alimentados pelos sentimentos de insegurança e medo. As novas gerações enfrentam o desemprego, falha a capacidade  de integração das comunidades que chegam e também das segundas gerações. As pessoas esquecem-se das extraordinárias conquistas alcançadas -  a paz, a liberdade, a democracia, a mobilidade, o programa Erasmus.  Ao invés, a Europa é, nos discursos dos políticos para uso interno, o bode expiatório dos insucessos, a culpada de todos os males que lhes acontecem.

A Europa de euro é de difícil sustentação. As respostas europeias à crise financeira de 2007, foram casuísticas e incompletas, feitas ad´hoc, aos sabor da reação dos mercados ou dos ciclos eleitorais desconjugados.  A acontecer, uma nova crise financeira será fatal pois a  Europa não está preparada para a enfrentar. Isto acontece porque os dirigentes europeus não têm mandato para pensar a prazo. Veja-se o caso da política monetária do BCE: as decisões são tomadas a curto prazo, não há certezas do que virá a seguir, vive-se a esperar que o tempo vá resolvendo as coisas. Em decisões cruciais, na impossibilidade de agradar a todos, opta-se pela média aritmética, ou aplicam-se pensos rápidos, agindo por cobardia ou incoerência.

Sem estratégia, sem líderes visionários, sem  gente, sem recursos, sem poder militar, sem ideais, encaixada entre o Atlântico e a Ásia - ou seja, entre a América e a Rússia -, ameaçada pelas suas contradições internas, a Europa que laboriosamente se autoconstruiu durante 60 anos parece estar a entrar, agora, num rápido processo de autodestruição.
Que fatalidade é esta que pesa sobre um espaço que já foi o centro do mundo?

segunda-feira, 27 de março de 2017

Mudar a Educação

´Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. 
Pessoas transformam o mundo'. 
(Paulo Freire) 

Alguém disse que estamos a educar crianças para o século XXI com professores do século XX e métodos do século XIX. Está a generalizar-se a ideia de que o ensino está desadequado em relação a este novo tempo de grandes transformações. E começa instalar-se nas mentes de alguns pais, de educadores e até de cidadãos comuns a convicção de que urge criar a escola nova. Um pouco por toda a parte, surgem ideias, organizam-se grupos, animam-se debates, propõem-se e discutem-se diferentes modelos sobre como deve ser essa escola nova, quais os conteúdos a incluir nos programas, qual o papel do professor e qual a forma de avaliar os alunos.

A Internet é uma janela interativa aberta ao mundo que está a mudar rapidamente - sobretudo nos mais jovens - os padrões de comportamento económico, social e cultural.  Trata-se de uma nova literacia suportada por novos instrumentos que, alterando a nossa forma de viver, nos vai obrigar a mudar a forma de educar. Teremos de usar muitas cautelas, porque a Internet tem perigos, cria dependências e não está isenta de riscos. Devido ao acréscimo de complexidade dos suportes da Rede ficaremos mais especializados mas, ao mesmo tempo, muito mais dependentes de uma ferramenta frágil, falível e manipulável.

Na antiguidade, os caçadores e os guerreiros eram educados pela tribo e preparados seguirem as pisadas dos seus antepassados. Era uma educação feita com regras, valores, crenças e rituais.  Mas, hoje, a tribo - que é a tribo global -  é difusa, está mal definida e carente de valores.  Na nossa sociedade - condicionada pela economia de mercado e formatada pela comunicação social -, o único valor  transversal é o dinheiro, e aquilo que lhe está associado: o consumismo, a competição e a ambição pelo poder. E isso reflete-se na educação, também ela orientada para a competição e  para o sucesso profissional. Ora, a incerteza que persiste na economia, a tomada de consciência dos malefícios do crescimento a todo o custo  - a predação dos recursos, o desperdício e a poluição -,  o desemprego e a ausência de valores  já estão a criar nos mais jovens angústia e desorientação. Para cumprir a sua missão de educar, continua a ser essencial que a escola se envolva e seja envolvida pela comunidade. Uma nova sociedade exige, pois, uma nova escola e uma nova escola tem de ser a semente de uma nova sociedade. As mudanças que se exigem para a nova escola têm de ser concomitantes com as mudanças na organização social.

A nova escola tem de criar espaço para a experimentação e para o trabalho manual. Tem de levar em conta as diferenças entre os alunos.  Como disse César Buona, um jovem professor, "cada criança é um universo. Todas as crianças são extraordinárias e únicas e não basta encher-lhes a cabeça com dados, temos de lhes fornecer ferramentas e conhecimentos, facilitar-lhes a tarefa com empatia, sensibilidade e resistência, para que elas possam sair fortalecidas de situações adversas. As crianças devem saber que, se se propõem a algo e lutarem por isso, podem consegui-lo e que depende deles tornar o mundo um lugar melhor". Também o sistema de avaliação terá de ser repensado.  Em vez de ensinar para a vida, o professor ensina para o exame; em vez de estudar para aprender, o aluno estuda para a prova. Ora, o que se aprende para a vida perdura; o que se aprende para a prova esquece.

O mundo em que irão viver os alunos de hoje será um mundo mais desconfortável do que aquele onde nós vivemos na atualidade. Será caraterizado  pela escassez de recursos, pela persistência da crise económica (e consequente desemprego) e pelos efeitos das alterações climáticas. Será um mundo menos seguro, em  boa medida como resultado do agravamento das desigualdades provocadas pelo crescimento demográfico, pelos movimentos migratórios,  e pelos conflitos étnicos e os sociais. Compete à educação preparar o homens que terão de enfrentar e superar a adversidade que se perspetiva.

A educação é arma mais poderosa para mudar o mundo
Nelson Mandela